Love’s Power 2.4

Não se lembra da última parte da história? Ela está aqui. Depois de lembrar continue a leitura.

— Levante-se escravo. — Quando ele se levanta me aproximo para continuar no ouvido dele. — Hoje tenho um presentinho para você na hora que eu acabar aqui no salão.

— As coisas que você comprou? — Ele pergunta, feliz pelo que eu disse e ao mesmo tempo muito curioso por mais informações.

— Não, essas coisas são para antes. O presente que te darei é deixar você me ver pelada. — Ele abre um sorriso maior ainda e eu continuo. — Mais do que isso, você vai poder tocar meu corpo todo com as mãos. Eu quero que você me faça uma massagem.

— Obrigado. Nossa! Muito obrigado, minha Rainha. Nem sei o que dizer. — E a essa altura seu sorriso parece maior do que a própria cara.

— Mas tem duas condições. É aí que entram as coisas que comprei. E são coisas bem pesadas que você vai ter que fazer. — Nesse momento já não estamos mais cochichando.

— Qualquer coisa, minha Rainha.

— Bom, a primeira condição é você usar isso. — Entrego para ele um cinto de castidade. — A partir de hoje você só goza se eu quiser. Se não tivermos mais seções você nunca mais vai gozar. Mesmo tendo mais seções, talvez você nunca mais goze.

— Se não for a sua vontade que eu goze, prefiro não gozar, minha Rainha. Minha vida só existe para te servir.

— Muito bom. Isso leva a segunda condição. — Digo enquanto coloco o cinto de castidade nele, trancando-o com o cadeado e guardando as chaves no bolso da minha calça. — Depois que eu terminasse aqui no salão, eu deveria fazer uma faxina na casa, está precisando. Então, para podermos fazer o que eu te ofereci, você precisa fazer essa faxina por mim.

— Sim senhora. Considere feita, minha Rainha.

— Então pode vestir o seu uniforme empregadinha. — Digo entregando a sacola com o uniforme que comprei. É só um vestidinho preto, super curto, com um avental branco na frente. Junto com ele coloquei as meias, calcinha e peruca da seção passada.

— Sim senhora. — Adoro ouvir isso. — E o dinheiro dessas coisas está aí no bolso da calça, é só pegar.

Ele veste o uniforme e entra para a casa. A ideia de não deixar ele gozar nunca mais é tentadora. Quantas vezes ele já gozou pensando em mim enquanto se masturbava? Se eu não colocasse esse cinto de castidade nele hoje, com certeza ele se acabaria na punheta depois de me fazer massagem. Quanto atrevimento gozar pensando em mim sem a minha autorização. Agora não vai mais fazer isso. E talvez nunca mais goze, assim ele aprende a lição. E ele que não apronte para mim, senão jogo essa chave na privada e dou descarga.

— Nossa! O que foi isso? O que você prometeu para ele, para convencer ele a usar um cinto de castidade deixando a chave com você? E se você nunca mais destrancar aquilo?

— Você viu como eu estou podendo? Ele é totalmente louco por mim. Está na minha mão.

— Me ensina isso menina.

E assim segue a conversa com minha cliente enquanto trabalho. Estou gostando disso. Melhor do que ser poderosa é poder mostrar todo esse poder para as outras pessoas.

Quando chegam outras clientes conto a novidade.

— Deixa eu contar, vocês ainda não estão sabendo. Agora eu tenho uma empregadinha, está limpando a casa para mim. Vou chamar para vocês verem. — E grito. — Empregadinha, estou com sede. Me traga um copo d’água.

— Sim senhora. — Ele responde de volta.

— Empregadinha? Mas essa voz é de homem! — Minha cliente comenta.

— Ah, um dia já foi homem sim, mas eu resolvi esse problema. Vou te mostrar.

Ele chega com o copo de água. Eu bebo e peço para ele mostrar o cinto de castidade.

— Viram meninas? Esse aí não é mais homem não. É só minha empregadinha mesmo. — Mostrando a chave para elas eu continuo. — Sem essa chave aqui ele não pode mais ser homem.

— Entendi, você só entrega a chave se ele limpar a casa para você.

— Que nada. Ele limpa a casa e a chave continua comigo, né empregadinha?

— Sim senhora.

— Então ele é seu namorado e isso é para ele não pular a cerca?

— Namorado? Nunca! É só um cara que não quer ser homem se não for comigo, então não vai ser homem, pronto. Vai ser só minha empregadinha. Talvez algum dia eu tire isso dele, mas não sei ainda se vou tirar algum dia.

— Coitado! Ele nunca mais vai… você sabe?

— Enquanto eu não quiser, não. — Devolvo o copo e o mando embora. — Pode voltar ao serviço, inútil, mas vai de quatro.

E assim ele faz.

Minhas clientes ficam admiradas com todo esse poder. Acabo de atender essas clientes e começo as seguintes. Depois delas terei um tempo para almoçar.

CONTINUA…

Anúncios

Sobre birutaibm

Estudo ocultismo desde os 14 anos de idade, fui iniciado DeMolay aos 17, estou me preparando para entrar para FRA (uma fraternidade rosacruz). Sou graduado em Informática Biomédica, mestre em Física Aplicada a Medicina e Biologia (mais computação que física mesmo), doutorando na mesma área. Meu perfil no Modelo de Myers-Briggs é INTJ (fiz dois testes diferentes e o resultado foi esse em ambos). Enfim ainda não sei muito sobre mim.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Love’s Power 2.4

  1. Pingback: Love’s Power 2.3 | Idéia Biruta

  2. Pingback: Love’s Power 2.5 | Idéia Biruta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s