Love’s Power 1.7

Não se lembra da última parte da história? Ela está aqui. Depois de lembrar continue a leitura.

Quando volto do meu novo devaneio minha próxima cliente e eu já estamos sentadas de frente uma para outra. O que ela queria mesmo? Ah, sim, fazer as unhas do pé. Bem, já que eu tenho um submisso aqui, talvez eu não precise usar minhas pernas de mesa como sempre faço.

— Putinha, venha até aqui de quatro, preciso de uma mesinha e acho que pelo menos para isso você vai servir. — Assim poderei também me divertir batendo nele com o cinto entre passar esmalte em um dedo e o próximo.

Ele veio como eu pedi e a altura ficou perfeita. Quem disse que homem não presta para nada? É só ter um pouco de criatividade, né? Dou risada dessa reflexão. Não é qualquer homem, a maioria não presta pra isso mesmo, não fariam isso. Até onde será que ele iria por essa paixão? Até onde ele iria por mim? Até quando sem sexo? E depois, se nos casássemos, será que ele aceitaria que eu tivesse um amante? Casar com um cara que faz tudo por mim e continuar transando com o meu gato. Isso sim seria o paraíso! Já que ele gosta de ser torturado eu poderia forçar ele a me ver transando com o gato. De novo essa ideia! Não, seria maldade de mais! Só dele saber que eu estou traindo ele já seria tortura suficiente, não quero que ele se mate.

Cada estralo que esse cinto dá na bunda e nas coxas dele! Ui, até me arrepia toda só de imaginar a dor. Trabalhar assim é tão divertido que nem vejo o tempo passar. Quando dou por mim já terminei mais uma cliente. Ele não desistiu, ainda está aqui, então é hora de trabalhar nele. Agora vou matar a minha curiosidade de ver como ele é pelado. Estou com medo, estarei sozinha com ele naquele quarto. Será que ele vai ser submisso mesmo? Não vai aproveitar que não tem ninguém e me estuprar? Coragem Aninha, depois de tudo que ele fez, ele merece esse voto de confiança.

— Anda putinha, agora é a tua vez. — Digo finalmente apontando para a porta.

Ele vai ainda de quatro e o sigo batendo com cinto nele. Abro a porta para ele e a fecho assim que entramos. Sento nas suas costas e desamarro a mordaça, retirando-a.

— De pé imprestável! — Ordeno tentando parecer má, mas acho que minha voz denuncia que estou me divertindo.

Assim que ele se levanta, eu o empurro pra trás, jogando-o na cama e pulo em cima. Arremesso para longe aquela peruca loira ridícula e quase faço o mesmo com os óculos, mas me controlo e coloco com cuidado ao lado da cama. Nossa, ficar batendo nele me deixou muito selvagem! Desse jeito é perigoso eu estuprar ele e não o contrario, que era o meu medo.

— Olha só! Parece que essa puta era uma loira falsa, então. Nem cabelo comprido tem. — E o sorriso dele deixa claro dessa vez que o tom de divertimento na minha voz realmente me entregou. Tudo bem, a ideia é se divertir mesmo.

— Vamos ver o que mais essa putinha esconde. — Ah, sim, agora eu quero ver tudo.

Tiro o corpete, a blusinha e finalmente o sutiã. Meu Deus! Eu nem me lembrava que tinha mandado ele colocar um forrado de percevejos. Isso deve doer bastante! Realmente ele é biruta. Totalmente biruta. Depois ele não acredita quando eu falo que ele é louco. Comento isso com ele e acho que quebro um pouco o clima, mas eu precisava falar. Me levanto e vou tirar os seus tênis e meias.

— Mas que perna mais peluda que essa puta tem! Já vi que vou ter muito trabalho para deixar isso lisinho. — Comento tentando reconstruir o clima.

— Nada de ficar com vergonha, afinal nós duas somos mulheres, né? Só não sou puta igual você. — Acho que com essa frase consegui reconstruir o clima.

Começo tirar a saia dele e faço cara de surpresa ao ver o pau através da renda vermelha da calcinha. Como se eu não esperasse ver aquilo, né. Acabo de tirar a saia balançando a cabeça como se eu tivesse sido enganada.

— Meu deus! Você me enganou! Você tem um pau aí dentro dessa calcinha! — Digo finalmente ao terminar de tirar a saia.

Dou alguns tapas naquele pau duro dentro da calcinha. Foi como bater com um pedaço de madeira na minha mão. Tiro a calcinha, finalmente ele está totalmente pelado. Falei que ainda deixaria ele assim, só não imaginava que seria aqui, nessa situação e tanto tempo depois. Nossos amigos mentiram bastante, não era tão grande como diziam, nem fino como eu imaginava. Gostei, talvez se eu soubesse antes que era assim já teria dado uma chance para ele, talvez agora que sei eu dê uma chance. Acho que não seria tão ruim se ele me estuprasse afinal, mas parece que ele não vai fazer isso mesmo. Até aqui ele se comportou bem, então, vamos para a brincadeira que ele me pediu para fazer com ele, né?

CONTINUA…

 

Anúncios

Sobre birutaibm

Estudo ocultismo desde os 14 anos de idade, fui iniciado DeMolay aos 17, estou me preparando para entrar para FRA (uma fraternidade rosacruz). Sou graduado em Informática Biomédica, mestre em Física Aplicada a Medicina e Biologia (mais computação que física mesmo), doutorando na mesma área. Meu perfil no Modelo de Myers-Briggs é INTJ (fiz dois testes diferentes e o resultado foi esse em ambos). Enfim ainda não sei muito sobre mim.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Love’s Power 1.7

  1. Pingback: Love’s Power 1.6 | Idéia Biruta

  2. Pingback: Love’s Power 1.8 | Idéia Biruta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s