Love’s Power 1.2

Não se lembra do começo da história? Ele está aqui. Depois de lembrar continue a leitura.

Abro, finalmente, a porta do carro, meu coração está a ponto de sair pela boca, desço, bato a porta e aciono o alarme. O barulho chama a atenção de todos que passavam pela rua e eles se viram em minha direção. Abaixo a cabeça e me movo a passos rápidos na direção da porta do salão que está encostada. Tento abrir a porta e não consigo, está trancada, então toco a campainha. Fico encarando a porta, de costas para a rua, como se por eu não poder ver as pessoas me olhando isso fizesse com que elas também não pudessem me ver. É claro que é inútil, nesse momento estão todos me chamando de bichona e coisas do tipo.

— O loirona, vem aqui chupar meu pau.

— Suspende a sainha viadão, deixa eu ver o cu que eu vou comer essa noite.

— Esperar em pé cansa, sua bichona, vem aqui que eu deixo você sentar no meu pau.

— O jóquei de jiboia, vem cavalgar aqui.

— Quero te dar leitinho na boca, sua bichona, mas você tem que tomar de canudinho.

Todos gritam coisas desse tipo e eu continuo ali, parado, de frente para a porta, esperando minha Rainha me atender. Pobres baunilhas, condenados a passar a vida toda experimentando poucos minutos de tesão, seguido por um orgasmo fraco, patético. Nunca saberão como é se sentir totalmente nas mãos de uma mulher. O medo por saber que ela pode fazer qualquer coisa com você, combinado com a expectativa de não saber o que ela fará a seguir. A vergonha que ela te força a enfrentar te deixando cada vez mais forte. A dor dos golpes dela estimulando pontos do seu corpo em que esses baunilhas nunca sonhariam em ser estimulados e lhe dando um prazer que eles nem conseguem imaginar. O prazer que vem da alegria e da satisfação dela e de saber que aqueles sentimentos bons que ela está experimentando foram proporcionados por você. Os cuidados que ela lhe dedica depois de alguma prática que tenha te forçado além dos limites. Estar preso e totalmente entregue a uma mulher, não por algemas ou cordas somente, mas sim pela alma, porque não se deseja estar em nenhum lugar do mundo que não seja aos seus pés. Pobres baunilhas, nunca saberão o que é amar e ser amado de verdade.

— Quem é? — Escuto ela perguntar, cerca de um minuto depois de ter tocado a campainha.

— Não sou nem digno de ter um nome, minha Rainha, sou apenas um escravo seu e estou aqui para servi-la.

— Não ouvi. Está muito barulho aí fora. Grite sua resposta.

É claro que ela ouviu, mas ela deseja que todos na rua escutem também que sou seu escravo. E se ela quer assim, assim será. Qualquer coisa para agradar a minha Rainha. Repito a mesma resposta mas agora gritando. Ela me pedi para esperar que já vem. A zoeira dos baunilhas idiotas continua.

— Vai escravinha, ela vai comer o teu cu.

— Vira homem rapaz, mulher não gosta de capacho não.

— Deixa, quando ela cansar da bichona aí e quiser um homem de verdade ela me procura.

O pior é pensar que alguns desses idiotas podem estar certos. Ela só me vê como um cachorrinho, palhaço, imbecil que faz tudo para agradar em troca de migalhas. Quando ela quer sexo mesmo vai procurar um homem de verdade e me deixa abandonado. Não! Pare de pensar isso! Eles não estão certos! Se um homem pode ser submisso apesar da evolução ter selecionado os dominantes, e você é a prova viva de que pode, então uma mulher também pode ser dominante apesar da evolução ter selecionado as submissas. São só baunilhas, estão condicionados pelas ideias da massa, como bois em um rebanho, não ligue para o que eles falam. Permita-se ser o que você realmente é. Essa vida é só sua e só você pode decidir como vivê-la. Você está aqui por que é isso que você quer, então fodam-se os outros e a opinião deles. A batalha interna cresce cada vez mais dentro da minha cabeça. É tanto barulho interno que nem percebo mais o barulho que vem de fora, dos baunilhas. Nem percebo que se passaram vários minutos até que minha Rainha abriu a porta.

CONTINUA…

Anúncios

Sobre birutaibm

Estudo ocultismo desde os 14 anos de idade, fui iniciado DeMolay aos 17, estou me preparando para entrar para FRA (uma fraternidade rosacruz). Sou graduado em Informática Biomédica, mestre em Física Aplicada a Medicina e Biologia (mais computação que física mesmo), doutorando na mesma área. Meu perfil no Modelo de Myers-Briggs é INTJ (fiz dois testes diferentes e o resultado foi esse em ambos). Enfim ainda não sei muito sobre mim.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Love’s Power 1.2

  1. Pingback: Love’s Power 1.1 | Idéia Biruta

  2. Pingback: Love’s Power 1.3 | Idéia Biruta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s